ANTIPOESIA

ANTIPOESIA
ANTIPOESIA

terça-feira, 30 de maio de 2017

CANTO VI - A CRIAÇÃO DO MUNDO



     este pode ser o poema da criação do mundo

               talvez seja talvez não seja nada
            
                    o mundo pode ser nada
                    eu posso ser         nada
                    nada pode ser       nada

                           e o nada tudo

                              ou então o poema
                            de deus ou do diabo 
                         
                          ou
              
                   de deus e do diabo
                se entre ambos nasceu
                    um amor eterno

o tudo
         do nada
                    nascido

                    sem satanás não há deus
                                     e
                              sem deus
                               satanás
                                     é 
                         pelo pensamento
                                                abortado


escrevi este esboço doente
                              a doença faz-nos sempre dizer o que não dizemos quando estamos sãos
não o escreveria se não estivesse assaz enfermo
se não cuidasse no mal que fiz e que hei-de causar    

actos de amor      de ódio      de deus ou satanás

se deus o quiser por assim o ter destinado

                         quer eu queira ou não o que está escrito não pode ser apagado

se o meu peito sanguinolento não sofresse como sofre e se a morte não fosse aquele grande mistério que tanto nos apetece e que não se conhece com preces nem é compreendido por filosofias ou teologias em noites de amarga especulação 

                misérrimo é o pensamento

       vive-se
                  como se pode
                                      por não haver melhor

                          come-se

                          bebe-se

                       faz-se sexo

                        dorme-se

      pior
           vegeta-se sem nexo
           da nascença
           à cova funerária
                           
e
dos que partiram deste mundo

                                           nenhum torna
                 
                                           ninguém dá nova
             
                                     de corpo ou espectros
                                           ressuscitados
                                           reencarnados

                  almas de deus
               ou de trinta-diabos



            onde estás tu senhor


            quem sou eu



ao acaso

            vou abrindo

                            o desgastado saltério
                             herança de meu pai

                            ouvi ó deus 
                            a minha voz
                              na aflição

                               eu sou a palha que do terreiro
                                     o vento de sueste leva

                  árvore de folhas ressequidas
           que em tumulto escondido  se inflama

            o que aborrece o caminho da mentira

                tende compaixão de mim senhor
                         porque estou doente


   sobre mim

           cai 

                uma chuva

                                de fogo vivo

                   e 
                                 enxofre

   
coração em lágrimas no covil dos leões
   
corpo que em fornalha ardente novamente sofre

   mente angustiada

                            mortalha de lamentações



meu deus meu deus porque me abandonaste


perfuma-me a cabeça com óleo de nardo

se és bom e recto a mim que te prezo  
mostra-me o caminho nesta noite escura

               alivia-me a mim que sou fraco 
                            deste fardo

eu penso no pobre no que sofre no desvalido

sou como o veado que gemente suspira

gazela em busca de verdes prados e água pura


       do novo testamento que se diz de teu filho
     
               se alguém quiser vir após mim
                      negue-se a si mesmo
                 tome a sua cruz dia após dia
                             e siga-me


sem condições te seguiria a ti
que te dizes filho de deus e do homem
                      por vereda de abrolhos
                      cardos e despenhadeiros  

 fundearia na tua palavra
                      e se teu caminho visse
                                     e a tua lei entendesse
        nela meditaria noite e dia 


                imita-me               dirias
                            e eu o faria

            seria como és
                               madeiro nos braços
                               cravos nas mãos
                               e nos pés

                               coroa de espinhos
                               na fronte
                               chagas de verdasca
                               a bem aceites
                               sangue da alegria
            
            beberia de tua fonte
            tua missão imitaria
se o mundo salvasse
                              de tanta miséria
                              doença
                              fome
                              morte
               terríveis males por teu pai criados
                   poderes que te foram dados
                            mas a mim não

se expurgasse do universo
                                      cataclismos 
                                      terramotos
                                      guerras
                                      malefícios
                                      corrupção
                                      furor
                                      ganância
                                      ódio 
                                      e 
                                      vingança

             males que teu pai previu
                       mas eu não

   se iníquos e ímpios
   poderosos e governantes
           deste mundo
   sanguinários traidores de seus povos famintos
   que nada e ninguém temem 
   pudesse julgar
   esmagando seus braços
   exterminando-os e às torrentes malignas
   de seu sémen no pecado imerso
      
                  que tu em nome de teu pai podes
                               e eu não

                            seguir-te-ia
                  mas às tuas igrejas não  




no princípio
                 o teu santo espírito
         movia-se à superfície das águas

                  a terra era informe

            olhaste o abismo
                       e
        aí projectaste o mundo
                                 no caderno do destino
onde tudo está escrito com infinita ciência
dizes tu


cansado de tanta solidão
munido de sólida intenção

- a eternidade também cansa e o vazio entedia –


no primeiro dia fizeste resplender a luz
          separando-a das trevas


no segundo fizeste os céus
  separando-os das águas

            mas deste-lhes a mesma cor

         quererias neles espelhar o amor


no terceiro enxugaste a terra

             o mar uniu-se aos céus no horizonte
           e ordenaste à terra que produzisse erva 
                  arbustos e árvores de fruto


no quarto criaste os luzeiros do céu


no quinto povoaste a terra de todo o tipo de animais
domésticos
                          répteis

                                               doces e

               ferozes

                 e sob o firmamento as aves

                          nalguns brejos     
                   alguns animalejos alados     

não satisfeito
fizeste-nos à tua imagem e semelhança

a nós
       falsos 
      dominadores
      da natureza
           pasto de melgas e mosquitos


                 e ponderaste a tua obra muito boa


como pudeste tu
                        o omnipotente
                        o omnisciente
                        o omnipresente
                        o misericordioso

não prever o evidente
não fazer o excelente

                  se a erva sofre quando calcada
                                e a árvore
                 quando por machado derrubada


como pudeste na tua omnisciência criar
bicho-come-erva

                         bicho-come-bicho

           bicho-come-gente

                                     gente-come-erva

                  gente-come-bicho
     
                                  gente-come-gente

      
violência e dor



       violaste os princípios de tua omnipotência
                      e da tua misericórdia

parece-te isto bem senhor

            cadeia interminável de sofrimento
               outrora agora e para sempre
                    e a isto chamas amor 


bela é a ave

                   e
                     ave-come-ave

                                          ave-come-bicho

                    bicho-come-ave

                               ave-come-gente

                    e

                     gente-come-ave


                  é esta a tua natureza
            aniquilação dolorosa da beleza


    razão a de quem diz da vida
          tudo é sofrimento
                                   nascimento
                                   doença
                                   velhice
                                   morte

                   desgraçado do que nasce
                       o que teve tal sorte



     o homem foi por ti moldado
              em pó da terra

     colocaste-o no jardim dos jardins
     no meio das mais belos jasmins
     
ó éden de todas as delícias
                                      visões
                                      perfumes
                                      júbilo
                                      carícias 

             mas estava só     
           e a solidão mata
     
basta de sevícias
                       disseste

enquanto dormia
                        sorrateiro
               tiraste-lhe uma costela
e dela 
fizeste a mulher
que por argúcia tal 
de ofídia sua aliada
o fez comer da árvore do bem e do mal

- para que criaste tu o bem e o mal     não sabias que eva faria adão comer o fruto     e que a serpente nada tem com o assunto –


           amaldiçoaste injusto a serpente
      aumentaste os padecimentos da mulher
          e o homem nascido para o prazer
                para a eternidade e lazer 
     teve de comer o pão que o diabo amassou
     castigo do pecado gerado por quem o criou



eva penetrada por adão
deu à luz caim e abel
e como o que nasce torto
tarde ou nunca se endireita
abel apareceu morto
por obra de seu irmão


ainda assim
os homens
multiplicaram-se

                  penetração após penetração
                          no seio da erva
               gozo primordial de adão com eva

          
mas nos seus corações a malícia reinava


arrependeste-te então tristemente

contrário à tua sapiência
usada na criação com displicência

eu deus omnipotente e omnisciente arrependo-me de ter criado o homem sobre a terra

            choraste lágrimas de sangue
        amarguradamente na terra corrompida
                   e cheia de violência

             e tracejaste com raiva
      o malfadado caderno do destino
      que com negligência escrituraste



de toda a multidão apenas noé te era agradável
e
pensando não sei se bem se mal
ordenaste-lhe a construção de uma arca
                                             espécie de barca

nela noé embarcaria a mulher
                                          os filhos
                                           e dois seres vivos de cada espécie existente na terra

                    por um dilúvio em sete dias 
                     – porra que mania a tua – 
                 exterminaste toda a humanidade
                 e
                  aos pobres e impolutos animais
                    num acto de nova crueldade


              a tua infernal misericórdia
             pacto amoroso com satanás


não sabias qual a natureza do homem que criaste    
não sabias que no seu sangue correria para todo o sempre corrupção e violência
e que a humanidade é a mãe da demência

que pecado cometeram os animais que ficaram
com que direito os submergiste     
que tinhas em mente     
tua vontade
                 displicente
                 discricionária
                 indiferente


a ti deus assiste a razão quando disseste

façam-se à minha imagem e semelhança

desgraça atrai desgraça

                                  castigo divino

                                  injustiça humana

                                  erro

                                  desesperança

e tu sempre o soubeste
e a noé o disseste
quando assinaste a aliança
de nenhum outro dilúvio lançar
sobre a terra e sobre o mar

- de que te valeria também       nada variaria – 

desististe e bem senhor

            aposentaste-te de criador



            quanto a mim e no restante
                            sempre soubeste
                            quem iria eu ser
                            que iria eu fazer
                            que pecados cometer

            dizes
                    dei-te o livre arbítrio


            que bom que és senhor


            determinas-me ao acto
            definitivamente lavrado
            no caderno do destino

            e a criatura que agora vês
            pecadora perdida sem tino
            foste tu quem a modelou

            e sem que mudança 
            houvesse na tua ciência
            ou não seria omnisciência

            o que tão contrário
            é à tua essência
            como a presença do mal

            e se por tal iníquo sou
            por tua vontade
            erro ou desacerto 

                  eu pecador me confesso
                  eu pecador me perdoo




tantos são os males do mundo

                                  e não os reprimes

        não podes senhor

                               se não podes não és tu o deus do nosso coração


        se não queres

                            és um ser indiferente

                     e 

          desapaixonado


não és tu o deus de isaac jacob e abraão

     
        se não podes nem queres

                   és impotente

                                  e 

                                            indiferente


deus dos fracassados e dos dementes


        podes senhor

                            podes exterminar o mal

          essa a tua natureza e essência


                  mas não o fazes

          não cumpres teus preceitos

          não alimentas os teus eleitos

                com paz e rectidão

             não és o nosso pastor

        quem nos leva a repousar
              em verdes campos
            a água pura irrigados



não te entendo senhor
mas um prometimento te faço
sejas tu
           trindade
           cosmos
           muitos num
           um em muitos
           mente verdadeira     


desisto de te buscar fora

buscar-te-ei dentro

e se num qualquer dia
no recanto da minha alma te encontrar

perguntar-te-ei
                      porque nasce o mal do bem
                      o imperfeito do perfeito
                      o injusto do justo
                      o padecimento da paz

nesse dia
- talvez a final tudo seja bem mesmo que o não pareça - 
               com o coração em chamas
              o espírito em festa por te ter
                  sabendo que me amas
                - à tua maneira diga-se –
                       vencido o mal
                 - se houver bem e mal -
                         louvar-te-ei


então

olharás do céu para o filho do homem e encontrarás um sensato que te desejou sem desfalecer em momento algum

        per omnia saecula saeculorum