ANTIPOESIA

ANTIPOESIA
ANTIPOESIA

sexta-feira, 12 de maio de 2017

PEQUENOS POEMAS VII



***



                primeiro dia de primavera –
                a neve toldou a visão
                das primeiras flores



***



   deixo a janela aberta
   para que venhas
   se tiveres de vir
          e aberta a porta
          para que saias
          quando quiseres partir



***



o comboio parte envolto num calor intenso
olho para mim sem qualquer espelho
é o cérebro que penetra o cérebro 
abrindo um túnel imenso para a mente vazia
onde vegeta uma paz infinda



***



     vejo o passado com todas as suas calamidades
                   os pecados da adolescência
                   pesados 
                              tão carregados 
          como fuzis encostados 
                                         à nuca indefesa

cada manhã é um pesadelo doente à chuva



***



                      falar de mim
                   como é difícil dizer 
                                o que só o silêncio reflecte

           ninguém poderá
           conhecer a noite fatídica
                 dos mil 
                           e um 
                                  guerreiros



***



        deito-me vestido

        amanhã tudo será diferente
        quando os primeiros raios
        de sol inundarem o rosto
        daquele velho que deixará
        para todo o sempre de espalhar
        o seu sorriso pelas tardes
        ociosas da primavera



***



                            à beira rio 
                  na margem pantanosa
             as ruínas de um batel choram



***



        estou à demasiado tempo
             no mesmo espaço

amplificando-me na angústia
dos beirados ao desagasalho
não posso retardar o tempo nem
as pacíficas pegadas das paixões
encher as ruas e vielas dos cantares
melodiosos das antigas raparigas

devo reaprender o sentido da palavra partida
com o coração livre de todos os cuidados



***



        caminho arrastado pela
        música tempestuosa da civilização

        uma candeia e um cão esquelético
        acompanham-me na jornada

        uma multidão percorre-me
        enquanto grito a minha solidão



***



há um caminho de pé
   para as velhas quintas
      da encosta profanada

no meio dos silvados
   encontro-me a sós
      com espinhos e lamentações



***



peregrino
- ou o que viaja incessantemente para não gerar no mesmo
lugar as raízes da morte –

não sei o que sou nem 
o que quero ser até ao
último adeus

confundo-me com a multidão
nas cidades moribundas e
com o deserto das aldeias jazentes
retendo na alma o mesmo remanso de sempre



***



                à terra o que é da terra
            cimitarras plantadas no saibro –
             o último grito dos guerreiros 



***



a maior parte dos povoados
                                       são lugares sujos
         onde as larvas inúteis
         se reproduzem e ocupam
                               as realidades devolutas
                dos desesperados
     enquanto pacientemente aguardam
               pelo fim do mundo



***



                     nesta pedra antiga
                   ruge o sol de milénios
                  na memória das coisas



***



o corpo despedaçado
           os braços decepados
    na ténue luz da esperança
                                        em queda
                                        no abismo sombrio
            ruínas remotas
       dos murmúrios do tempo



***



sinto-me pequeno
como um dia de inverno

imenso 
como grão de poeira

sou o que sou –
um tambor vazio



***



quantas paixões      amores esvoaçantes nas almas que amadurecem
                  a porta aberta
as histórias de uma vida com as letras impressas no teu corpo
                  dentro de mim



***



                        olho o céu –
                a beleza do azul celeste
             ofusca-me todas as paixões



***



   os dias envelhecem
   com as mãos crispadas nas grades
   do luto e da ignorância
   enquanto a brisa sulca
   com mansidão
   as constelações de flores
   do jardim há muito desprezado

                      corações distantes 
                            solidão de
                        velhos amantes  



***



            pecados passados
     lançam lágrimas de orvalho
          nas campas floridas 



***



                         o vazio inatingível 
                      da morte que se ergue
                      clandestinamente feroz

                            no regresso
                     pelo caminho da vida
              a espada de todos os excessos
                       permanece intacta



***



a nudez dos troncos
com os lábios retesados
invadiu as sombras do bosque
devassado por caçadores furtivos
e pela agonia das vítimas
inocentes

entretanto o sol desapareceu 
por entre as nuvens em fuga



***



espaço
                    o homem enclavinhado pelo tempo
                        buscava o espaço insondável
                                  entre ele e ele

      conhecia a sua voracidade
      ambição e inveja e
                 deslumbrado por mares de safiras
                       deixou-se abater no areal



***



a escola vazia
vai-se desmoronando

na laje da costa
as raparigas já não cantam

os rapazes envelheceram –
não sorriem

os meus cabelos brancos
são prenúncios do fim



***



              a imagem da velha igreja
              mil e uma vezes venerada
              tinha agora no regaço
              o musgo das promessas de outrora
              e o jugo da ilusão



***



a noite cai sobre os túmulos

        um silêncio perfeito ondula
        sobre o egoísmo e inveja dos aldeões 
        que matam a escuridão 

enquanto dormitam
assassinam a alba desbravando
os campos estrumados

            que mentes mesquinhas e
                        imundas



***



beijo-te
sem que saiba quem és

que me importa a mim
saber quem tu és

                 humana como eu      deprimida
                 por um nada apaixonada      tu
               monja errante da vida desfigurada 



***



uma única gota
esconde as palavras que 
se escoam pelas janelas cerradas

               as sílabas fragmentadas
          escoam nas feridas há milénios
                      cicatrizadas

os livros saqueados na terra do sol-posto
escravizam-me

dispo-me      sento-me na beira da cama enquanto o corpo adormece 
numa trajectória circular



***



deus deu-me o bem e o mal
a visão das flores
o mundo interior plantado de estrelas
e nas profundezas
a escuridão da matéria 



***


                   
                   vejo o grande rio dos céus 
                   as estrelas as constelações
             mas continuo o mesmo sem-abrigo                   



***



sepultaram pedras azuis 
     entre o passado e o futuro
            assassinaram o que não principia nem acaba

corre-lhes nas veias o sacrifício humano 
                                                 de séculos atrozes

      deixaram que se instalasse o caos
      nos seus corações atormentados

não se ouvem as suas vozes
indiferentes aos pérfidos gemidos

                      os cérebros mirraram
             abandonados à sua própria traição



***



                        os meus sonhos
               contêm um poderoso segredo
                 o segredo de serem sonhos
                     e de serem só meus



***



um mundo de desesperados
arrasta-se pelos arretos da colina
colhem os frutos e vendem as almas
à ganância e à arrogância
o carroceiro do senhor das terras alheio ao esforço da safra sorve o fumo de um cigarro barato

pela quinta hora os deuses caseiros erguem-se e contemplam a matilha de esfomeados



***



              a primavera nas asas dos pássaros
                 habita os ninhos entrançados
                      por corações de amor



***



com que ternura me ergues
amparas-me      beijas-me os pés
          suor e lágrimas
a cidade conquistada pelas armas
os bárbaros precipitam-se nas ruelas desertas
                     basta
os soldados exaustos já não resistem
à beira do fim acariciam as mulheres estupradas pelos ventos do norte
na planície deserta nem deus está presente
                 só a morte



***



entardece
o corpo sonolento
veste-se a medo

há visões do passado
nas memórias corrompidas
pela violência do tempo



***



a monotonia da viagem

luzes amarelas correm pelas bermas
a janela reflecte o interior 
e o casario iluminado do exterior

deixou de haver fora e dentro

                   o vento dispersa-se 
                        na quietude 
                      do movimento



***



estação de fátima

                      peregrinos e milagres
                    joelhos ensanguentados
               cobrem o pavimento do recinto

                   nada que seja sagrado –
                   promessas e sofrimento
             trinta moedas na bolsa do papado



***



a transparência das árvores azuis

o vento cristalizado nos ramos

a teia de folhas em movimento

                       ali estava a olhar
                          sem-tempo
                      o eterno-momento



***



desfalecem os escravos no campo de algodão 
com os carcereiros à espreita      ociosos
o dono da plantação sem motivo
ergue o chicote e rasga a face direita da pobre negra
que ajoelhada pede perdão pelo rosto ensanguentado
                       perdão por nada



***



       na viagem todos os passageiros ocupados
             asnos e estultos embevecidos –
            merda para as novas tecnologias



***



tinha uma nova identidade
as sentinelas tinham-no abandonado 
junto a um sepulcro cravejado de granito

as flores murchas contrastavam com
os lírios azuis do coração calmo
a crescer na erva invadida
pelo sangue deposto
nas pegadas dos animais sedentos



***



a manhã corre-me nas veias
sou o fragmento que se multiplica a
cada amanhecer
a areia de todas as praias desertas
o irmão da penumbra
que penetra a calçada
de todas as ruelas e becos
da cidade e de seus tristes queixumes



***



a tecnologia pavimenta gloriosa a estrada da vida
os transeuntes anónimos atropelam-se furiosos apoiados no armamento electrónico
                  grotescos      estúpidos
                circuitos desintegrados da
                    existência lamacenta



***



as trevas rondam a cidade esquartejada pelos obuses
corpos disformes sangram serenamente nos escombros
uma criança chora o último suspiro
enquanto excrementos armados sorriem ao hastear de uma nova bandeira



***



o tempo rodeia os
ramos libidinosos da ausência

a leste uma ave solitária sonha
com o além-nuvens

o sol apressa o nascimento
enquanto gira sobre si próprio

já não há passado nem futuro

      das algibeiras rotas do mendigo esfarrapado
                   nasce o indelével instante
            na morte inexplicável do quotidiano



***



                primeiras chuvas de outono –
                     inundam-me a alma
                       afogando paixões



***



os ossos da memória
transformam-se em objectos
com o coração esculpido
pensamentos que andam comigo
nómadas como eu
ruminados crescem
mergulham nas entranhas
da ciência inútil
que cultivo nas noites de insónia



***



não deixes que a minha voz
se arraste pelos túneis
onde ninfa nenhuma canta
não deixes que as árvores tão transparentes e lúcidas
não alimentem as minhas palavras
                       amanhã serei húmus
                um acidente sem importância
                        no carreiro da vida
                   efémero como o silêncio



***



                    os peregrinos de joelhos
                 desesperam por um milagre –
               loucos      tão próximos da morte



***



na minha mesa
     humildes são os talheres
                        parca a refeição
se os convidados aparecerem
                    deixá-los-ei penetrar
                  no âmago da afinidade



***



aguardo a noite
pelos seus mistérios
as fagulhas do desconhecido
entranham-se na alma deserta
iluminando a alegria
das estrelas



***



não quero fazer perguntas
não quero ouvir as vossas vidas

um sopro corre pelas palavras soltas

desfalecemos com o peso suportado por regaços desconhecidos

estamos sós como um exército armado até aos dentes
derrotado pela sua própria sorte



***



já não recebemos cartas 
mataram os pobres
mensageiros
agora enfermos passeamo-nos
pelos túmulos electrificados
cismando com desdém
na ausência dos ventos
passados



***



a frescura da noite
inunda o amanhecer que
oculta o luar e
o beijo dos amantes
insensatos dormem
enquanto o melro chora



***



a árvore florida olha-te
pela janela entreaberta
um corpo nu      redondo
de jade luminoso
é longe      a noite escura
a dor da separação



***



a neve tarda
irá florir quando eu
já tiver partido
sem destino como
os goivos sem objectivo
no último dos crepúsculos
à sombra do céu e 
das nuvens que 
escurecem no areal



***



                  em tudo está o começo
                            e o fim

                 de olhos fechados trespasso
                     o silêncio da escuridão
                      acorrentada à aldeia

                um cão ladra sem convicção

                            o outono
                     já entrou pela porta
                       da sala iluminada

                         o povo dorme

                       só eu estou aqui
                      sem saber porquê
                    sem saber por quem

                         se por mim
                      se por ninguém



***



                        o poema iluminou-se
                           aos meus olhos –
                       ilusão      apenas ilusão



***  



um corpo respira
no pinheiral da curva da estrada

oiço-a respirar

indica-me o caminho

anoitece cedo neste
fim de tarde
perfumado pelo odor
da terra molhada



***



ninguém vem
a rua deserta      janelas e portas fechadas
se as minhas mãos pudessem tocar-te na distância
levar-te-iam à pacífica brisa do meu coração
maçã madura a palpitar
na sombra do peito
aquecido pelo lume
de um beijo já esquecido



***



talvez ainda não seja suficientemente tarde
talvez      quem sabe ou pode saber se as árvores da infância regressam viçosas 
e os aromas dos frutos bravios 
inundam os caminhos que invadem as paixões ancestrais
talvez a erva seja tão verde como dantes      talvez
e a água das fontes o selo imperial do amor
talvez eu já não seja verdadeiramente eu      talvez



***



                        a cidade
              mãe de todas as alucinações
            retorna ao bulício das mulheres
                        nocturnas

             no ar a fragrância dos desejos
                        cai a prumo
            na lascívia dos últimos visitantes



***



o poeta percorria o deserto
por um trilho sem margens
os olhos feridos pela areia
aproximavam-no
da eterna escuridão

               na esquina dos oásis perdidos
                    as recordações eram
                fugazes momentos de morte



***



o frio gelara-lhe as mãos e os pés

sem um único murmúrio
mantinha-se desperto na noite
naquela insónia devastadora
que os moribundos
acendem quando a morte
se abeira do último dos abismos



***



         um fósforo aceso aquece-me as mãos –
                   na casa da aldeia sonho 
            com a lareira quente e fumegante



***



já estiveste dentro de mim
vibravas neste teu nicho
longe
o mar adormecia
na solidão das ilhas
perdidas e
o canto dos pássaros anunciava
o fim da ausência



***



à primeira luz do dia
parto
para ver as flores e as estrelas
esquecidas no meu coração

a cidade é um novelo
de casas velhas e sujas 
com pombos nos telhados onde
nem uma cotovia canta

na montanha
o rio do céu
perfuma-me a alma
e as cerejeiras floridas
doam-me o seu amor



***



sentou-se na mesa      os braços cruzados e o olhar atento ao programa televisivo da tarde
a vida no sofá da sala em ruínas
as emoções fundidas em metal incandescente
e o portão cravado no muro do quintal descuidado
limitavam o sentido visível da existência



***



                       o teu sorriso
                      de madrugada
                     anuncia o amor



***



os muros do pensamento contorcem-se
longe um velho confessa aos céus a sua paixão
duas trutas serpenteiam nas águas claras do rio nascente
no vale um pássaro negro canta liberdade



***



sentámo-nos no café      tinha o ar triste de quem teve alta do hospital
a vida não tem sentido      disse
viveu o vivido sôfrego como criança desamparada      
recordou a orfandade o orfanato o destino a má-sorte
olho para ele e vejo no velho amigo quase surdo
as asas inquebrantáveis do anjo da morte



***



                          egoísmo –
                 corações escondem-se
                    na noite profunda



***



uma voz cristalina irrompe
pelo silêncio da memória

no espelho a madrugada
é saudade dos cânticos
das aves que segurámos
nas mãos protegidas

o ar está carregado de constelações
                       pela janela entreaberta
             ingressa o odor das flores campestres
                      enquanto fazemos amor



***



                o som do vento no meu corpo –
              as mágoas vestem-se de espinhos
                 que se cravam na carne seca 



***



folhas esvoaçam na floresta
tranquilo            adormecido um pequeno esquilo
o dia declina nos escombros da solidão
uma mulher atravessa o ribeiro com o rosto transfigurado

                 na outra margem do oceano
                    o filho morre sem mão
                     de mãe que o console



***



o sol desaparece nas montanhas

no meio das ervas altas
abre-se um leque

ao longe avista-se uma raposa

                        o meu coração voa
                                   subtil
                nas asas de um ganso selvagem



***



                   as estrelas estão suspensas
                    no céu clareado pela lua –
                    quando é que as visitarei



***



a cama desfeita
lá fora a primavera respira
longe de casa ouço o sino do povoado
e acordado sonho com o passado distante



***



as sombras da lua cheia
fazem resplandecer o teu sorriso

o trevo do jardim
envolve os crisântemos

em cada flor 
um rio de orvalho



***



                  primavera na esplanada –
              das árvores agitadas pelo vento
                   caem farrapos de neve



***



a transparência da paisagem 
colonizou a loucura
de sórdidos pensamentos

na montanha azul
a metamorfose das
vigílias e dos risos
das mulheres em floração



***



                         nas trevas 
                       uiva frenético
                  o velho lobo do mar



***



      sem-sentido           ausente
        fragmentado e silencioso
             vivo no passado
           morro no presente



***



há amargura no ar

as nuvens estáticas clamam
pelo sabor da vida

um cão sarnento aguarda a morte

o pastor embriagado
desce a encosta alheio ao rebanho

estática a montanha

             sento-me junto a um velho pinheiro
                       e penso sem palavras
                         no meu crepúsculo



***



no mosteiro
descalços
procuravam desesperadamente
o caminho
nada mais para além da via
do sofrimento inútil
de quem busca perdido
o vazio na quietude



***



o país desmorona-se
estremecem os homens
esfaimados
enquanto montes inacessíveis
se erguem nos rostos sofridos
das crianças
da cidade suspensa



***



pássaros que sossegam
nas ramagens      ah o melro
uma jovem canta no olival
voz que se converte na miragem
que convoca 
as almas dos náufragos
de vida lavrada
em campos ermos



***



as palavras morrem
na febre que arde

o sangue do império alastra
nos cômoros da memória

o minério acende-se nos
dedos envelhecidos do destino

um povo seminu embriaga-se
de desespero e ilusões

tudo como se o mundo
findasse no dia de hoje



***



a verdade só tem uma palavra que a defina –
                         silêncio



***



aqui não tenho amigos
monstros de betão escondem o céu
e o horizonte
os jardins estão sujos e avelhentados
no declínio do dia emudecem as praças e as ruas
restando apenas vestígios de profundo amargor



***



os dias são folhas verdes
na quietude da montanha

o murmúrio da brisa agita o lago
e no recato de todas as maldições
cala-se na fundura das águas

longínquos pássaros voam
por entre tojos sagrados

deus ressuscita nas ervas rasteiras
e nas nuvens que caem dos céus



***



o rio continua o mesmo
meus olhos não
num relance afasto-me
nostálgico das terras altas 



***



            os deuses estão doentes

          a morte cavalga nas planícies
             da civilização comatosa
                  onde vingam as
                vozes subterrâneas
           daqueles que nos trucidam
                  corpo e mente



***



as árvores estão hoje mais altas
nuvens descem do céu
divertidas      suspensas
deslumbrando as vozes doentias
nascidas das trevas dos mistérios
há cores imprecisas no horizonte
vultos passam com rapidez
no caminho poeirento
frenesim de parca vida
sem norte e sem destino
a assustar o medo da morte



***



as estrelas
caem-me na mão petrificada
amparo de uma paz
inalterada e penetrante
raio fulgurante a decifrar o enigma
de eterna madrugada



***



teu nome escrito
na areia do deserto
amadurece
viajas sem que no cais
alguém te aguarde
os fantasmas morrem
e nos dias sombrios onde
não há réstia de luz
os espelhos reflectem
um sorriso com o peso
das memórias de todos os
naufrágios



***



a boca rósea mergulha no silêncio
os corpos incendeiam-se no caniçal

               cinturas apertam-se
             ao silvo da locomotiva
                contígua à nudez



***



não sei
os dias sucedem-se
enquanto eu vagueio
sem rumo
                             não sei
                  em que dia repousarei –
                    os anos não perdoam



***



nos meus sonhos ficam os teus ombros
os olhos acesos            sequiosos
a língua exposta no meu ventre
lânguido movimento
                            descendente



***



o vestido
cobre as formas do teu corpo

sombra intocada
a rejuvenescer no soalho

escondem-se as coxas 
à lança aguçada e

ao gume da espada
que te deseja



***



nuvens repousam no monte
de santiago            gelo nas agulhas dos pinheiros anões
o céu anuncia neve ao entardecer

na casa branca do outeiro
a lareira já se acendeu

            antes do anoitecer já estarão deitados
                   recolhidos dos ventos frios –
              a pobreza adormece sempre cedo



***



                            uma árvore
                   com o coração esmagado –
                         tragédia silenciosa



***



não visito meus velhos amigos
a maior parte deles
vive no reino dos mortos
adormeceram definitiva e
profundamente
como nascituros
não há glória nem exaltação no pó
em que se comprimem
e das suas vidas nada sobejou
para além do esquecimento
que dia-a-dia se projecta no vazio



***



adormece o fogo na aldeia

os tições das almas são circulares 
e transparentes
                      os corações
                límpidos e solitários
       vigiam entre a doença e o sonho

ninguém louva a sensatez da idade

           os anciãos têm os olhos macerados
                          pela saudade
                filhos vivos e filhos mortos



***



nas casas de velhos deuses
florescem rosas negras
numa teia ladeada por vocábulos obscenos
os suicidas apodrecem na vertigem cavada
pela sombra indefinida da angústia imemorial
com o ritmo do rumor obscuro
da transparência dos bosquetes



***



o povo partiu
errante
nas cicatrizes das naus esventradas
carvão em brasa nas mãos da esperança
medos e ameaças de temporais
          monstros e seres inumanos 
       corriam-lhes nas veias salgadas
             não voltariam jamais



***



vento de leste sopra na superfície do lago
pequenas são as ondas
lágrimas de luar inundam pequena barca
lá dentro o vulto de um homem
velho pescador de olhos-de-água
encharcado até aos ossos
na margem jovens namorados
pescam beijos azulados
as velhas montanhas a oeste estão solitárias
indiferentes à pobreza ao ódio e ao amor



***



na cidade a mesquinhez da vida        a rotina nas ruas e nos empregos
os transeuntes atropelam-se          uma bonita rapariga
                 nada mais na terra árida

desejo e morte baloiçam-se num jardim

             longínquo o velho eremita
         mal se consegue erguer do leito
                 mas está tranquilo
                         em paz
          nenhuma viagem o irá aterrorizar



***



              a água na ribeira brilha ao sol
       pequenos peixes nadam contra a corrente –
           a primavera tarda para quem viaja só



***



não sabia para onde ir
o vale estava deserto

povoado de memórias
sentia-se envelhecer
envolto pelo cheiro a fumo
da lareira imemorial

sentou-se ao lado da insónia
a amadurar na madrugada



***



é domingo
dizem que há sempre uma luz ao fundo do túnel      de qualquer túnel
um pássaro voa em círculo 
na encruzilhada do credo
o medo fixou-se no muro da ressurreição
alguém passa sem se deter no cruzeirinho
                  caminho de solidão
                 onde o sol vertiginoso
             petrifica o rosto dos crentes



***



                     cruzo-me com gente
                   gélida na sua cegueira –
                 só a morte os pode salvar



***



caminham com os pés sangrentos
doloroso passo a passo em desertos pedregosos

o mar para além do horizonte
clama pelos seus corpos exaustos

alguns ficam para trás
sem brisa que os acolha ou luz que os ilumine
as mãos imóveis no murmúrio da esperança oblíqua
nunca irão repousar à sombra das oliveiras 



***



                um homem na gare deserta –
              o anjo da morte persegue sempre
                         a sombra da fuga



***



davas-me a tua mão nas noites de lua nova
e eu sonhava com os esplendores do meio-dia
e sonhava que deus sonhava que connosco seguia

no arvoredo negro via anjos
no caminho outros peregrinos
mesmo assim doía-me a alma
       ai
pobre de mim



***



deixa que te esmague os lábios
que te aperte nos meus braços
e que te diga
num murmúrio à varanda –
só o amor conta



***



anseio pela partida        a vida sedentária é cruel
como sol do deserto        mas tenho medo

          leva-me contigo pela vereda vertical
                    do vazio sem raízes
               e não me deixes nunca cair



***



agora que estamos vivos
podemos olhar o mundo
a realidade palpitante da liberdade
o fumo dos corações aveludados das
crianças de sangue ardente
os olhos reluzentes das mulheres
e no velório da tarde
aquela face pálida da morte



***



no meio do rebanho
uma mulher
chamam-lhe graça
no rosto a fadiga e o sofrimento
a doença
no corpo roto a pobreza
os pés descalços sulcam espinhos
os olhos pedem a morte por caridade
senhor
      não vês tu
         onde está a tua piedade
              perante tamanha desgraça



***



o meu reino não é deste mundo
já morri tantas vezes e outras tantas nasci
as sombras iluminam-se no meu peito
levantam-se os mares
recolhem-se as redes
arria-se o velame latino do lugre 
e o rio congela a traição
dos corpos encurralados
na espuma ancestral



***



uma lágrima cai no lago
o crepúsculo tolda o coração de pedra
tenho uma mensagem para te enviar
não te preocupes mais com os deuses
canta sem o som da tua voz
e mergulha nas águas tranquilas
da minha alma



***



o mondego subiu as escadas da porta traseira
uma pequena carpa volteia assustada
mais logo o sol irá afundar-se nos arrozais
e virá a lua para apaziguar os nossos sentimentos



***



                  sentámo-nos olhando-nos
       duas borboletas voam arrastadas pelo vento –
                          acasalamento



***



vagabundos esfomeados
junto à linha férrea

as árvores de folhagem perene continuam majestosas
solenemente beijadas por gotas de chuva

num velho caderno uma criança velha faz garatujas 



***



um poeta cego escreveu-me
é meia-noite
leio a mensagem atentamente
sepultaram a poesia      diz
não há quem nos leia e entenda
e quem lê finge entender
e fingir fica bem
fingir que se sabe
que se sabe e entende melhor do que ninguém



***



os olhos fixaram-se
nos presságios agrestes

uma criança gritou
à porta da igreja

a luz
brilhou no azul
sem nuvens

enquanto
as flores secas
se diluíam
nos ladrilhos desenhados
no pátio




***



               eu que não principio nem acabo
                    caminharei eternamente
                       no silêncio de deus



***



a maior das viagens
para além da vida
do tédio      do esquecimento
da angústia      da dormência
e do sofrimento
a ironia de uma volta ao planeta azul e frio ou à opressão dos trópicos
a voz terrífica da melancolia sempre presente na peregrinação continental
o ódio e a impiedade espalhada pela terra sombreada por pegadas ancestrais

             a maior das viagens        a interior
              partida e chegada no mesmo cais 



***